fevereiro 04, 2013

Nosso roteiro



Sou uma roteirista de futuros. Fico aqui a imaginar em meio a uma foto qualquer o meu futuro. Me pego pensando nas cores das paredes, no estilo da porta, na sua risada vindo do quarto ao lado enquanto assiste um programa qualquer na tv. Tem você me ajudando a reorganizar a estante de livros pela terceira vez, só porque quis comprar mais uma coleção; tem umas gotas de tinta manchando alguns móveis da sala devido a nossa guerrinha de criança no dia da pintura; tem a gente em todos os cômodos e móveis. Tem você nos meus porta-retratos, nas minhas canecas, livros e lençóis. Tem você no cheiro da casa, tem seus sapatos marcando o tapete, tem suas mãos em cada parede, tem você nos meus dias, meses e semanas. Tem você vivendo em mim. 
Então pela milésima vez resolvo mudar o sofá de lugar, digo que com ele virado para a tv não é tão bom quanto virado para a sacada. Assim a gente podia assistir o pôr do sol todos os dias ao invés daquele cara chato do programa das sete. Mas você fala da chuva que entra pela fresta que eu sempre largo aberta, dos vizinhos do prédio da frente e também que gosta do cara das sete. O sofá continua virado para a sacada, mas amanhã já volta ao normal. Realmente molhou um pouco e alguns vizinhos pararam para nos assistir esses dias atrás. Com orgulho ferido e uma carranca deixo você e a tv para tentar achar aquele livro no meio da bagunça que se tornara a estante nova. Tem livros de menininha, como você costuma dizer, misturados com todas as suas filosofias. 
Tem um romance quase perdendo a capa e com as folhas marcadas, aquele mesmo que te entreguei antes de tudo isso. Grifei quando a gente aparecia no meio daquelas frases soltas, como sempre fiz, te marquei nas minhas entrelinhas e você se achou. Precisou de uma tinta amarelo fluorescente, mas tá tudo bem. Você disse que só eu mesmo pra te fazer ler esses clichês, mas já o vi várias vezes folheando esse mesmo livro e parando na página 188 que tem só três palavras destacadas. As vezes até escreve uma dessas frases no caderno de recados que fica perto do telefone, só o número da página e eu já sei. Te deixei uma vez uma mensagem codificada em páginas e fiquei assistindo suas expressões ao ler cada uma. Tem uma lágrima sua marcada em várias páginas desses romances, tem um beijo meu a cada folha que relê.
Tem um miau baixinho vindo debaixo da cama que logo aparece e se aconchega aos nossos pés. Tem um andando pelo corredor e talvez algum outro tentando invadir o aquário da vizinha do andar de cima. Tem pelos causando espirros para ambos e um documento importante marcado com patas. Tem a sua cara de bravo ao ver que era seu, e minha risada estranha ao saber que dessa vez foi com você. Mas aí tem um livro meu com a capa arranhada, e tem o seu sorriso de criança estampado na cara. Um sorriso que esconde tanta coisa, me esconde aí dentro, me guarda dentro de você pra que não tenhamos riscos de nos separar nunca mais. 
Quero te guardar num dos meus livros para poder te ler sempre que der saudade. Quero manter teu sorriso descrito nas minhas folhas para sempre poder sorrir. Ter sua voz gravada nos meus discos, cds e fones. Ter sua risada presa em meus ouvidos pra que ela se torne minha trilha sonora. Ter teu toque gravado em minha pele pra te sentir mesmo quando estiveres longe. Ter você, sem ser nesse futuro incerto, mas nas páginas da minha vida. A cada noite sussurrar um "até amanhã" e realmente te ter pela manhã, tarde e noite seguinte. Não ter saudade, medo e incertezas. Sou uma roteirista de futuros, ou sou simplesmente uma apaixonada com saudades. 

Quem nunca inventou seu próprio futuro que julgue, eu vivo criando roteiros. 

2 mini memórias:

Melhor juntar palavras já testadas:
Amor, Saudade, Beijo, Despedida.
Um saco de figuras repetidas,
Tão gastas que já não te digam nada.
Que lindo! Primeira vez que entro aqui e estou encantada com tudo.

E sobre inventar o futuro: meu hobby.

(:

Postar um comentário