março 02, 2011

Malditos 12

      Chegando a segunda semana dessa falta imensa dentro do peito, nunca pensei que até as palavras me deixariam na mão. Me enganei. A primeira semana passou ardente, mas passou, e veio chegando a segunda, cortando aqui e ali, não aguentei, nem que fosse pra sair 3 linhas eu precisava escrever. Precisava rever essa vazia página branca aqui no bloco de notas, que ao mesmo tempo era lotada de idéias e vontades de escrever textos e mais textos. Mas eu abria, colocava aquela música mais chorosa, e nada. Nadinha. Ou vinha. Mas vinha uma merda tão grande que era até vergonhoso de mostrar pra alguém, nem relia, de tão ruim que era. 
      A cada letra desse texto perco uma grama, e vou perdendo, perdendo, até que tudo vai ficando mais leve. Com mais cor. Não sei você, mas desde que tomei esse gosto de escrever não consigo mais viver sem. E tô falando sério mesmo, deve ser o vício, mas me doía, tu não sabes o quanto, ficar aqui relendo esses textos velhos e tolos. Queria coisa nova, sentimentos novos, páragrafos novinhos em folha. Ia passando os dias e a dor ia crescendo, o peito ia inchando de nada, de solidão. O coração ia lotando de palavras, lotando, lotando, até que a gente explode. A gente chora, ri, grita, sussurra, bate, apanha, cai, levanta, vive, mas com uma dorzinha. Sabe como é, faltava contar pro bloco tudo que aconteceu. Contar que eu vi ele semana passada, que caí hoje de manhã, colocar todo aquele sentimento de antes, o bloco deve ter sentido nesses últimos 12. Malditos. 
      O último fora numa madrugada, daquelas super nostálgicas e choronas, que você coloca aquela música pra lembrar dele, deixa as memórias invadirem, e vai, vai, aí que percebe que tá chorando com os fones de ouvidos no último, cantando a música, com a foto dele minimizada e contando pro bloco aqui tudinho. Toda a dor. Ele te entende. Ô bloco, desculpa os palavrões, as lágrimas, mas só tu pra me entender. Tô dizendo, esses 12 dias foram de destruir a alma viu? 
      Hoje, só pra variar, eu tô sentindo falta dele. Mas também de você bloco. Por mais que me dilacere a ausência dele, a tua me cortou na alma. As palavras, ah, essas aí merecem um xingo bem dado. Onde já se viu sumir por tanto tempo? Isso não se faz. Não comigo. Não agora. Nunca, tá me entendendo? Tô me sentindo nos meus diários novamente, escrevendo aquelas bobeirinhas de criança, do toque de mão do piá amado, da briga com a melhor amiga, da quebra do brinquedo favorito... Isso também me falta. Minha infância, sabe bloco? Era boa, ô, como era. Pudera eu dar um tapa nessas crianças de hoje que acham que a vida é computador. Mas tudo bem, deixo essa pra próxima bloco, hoje tô querendo dizer de nós e dos 12. 
    Nesses últimos 12 dias que fiquei sem ti, percebi uma coisa: sou uma merda sem escrever. Preciso. É algo mais forte, entende? É aquela vontade louca de acordar com texto pronto, postar, e ver que mais alguém te entendeu e sentiu o mesmo. De escutar aquela música e pensar em uma frase, daí vindo outra, e mais outra.. Aquela vontade de explodir aqui. Vícios são todos horríveis, mas esse meu vício de ti, eu amo viu. Por mais que me mate com a ausência, me lota de amores a cada ponto final. Escrevo, e amo. Escrevo, e sinto. Escrevo, e vivo.
     Tem tantas melhores, eu sei. Tem aquelas que sabem demosntrar teu amor com textos de 5 linhas, ou aquelas que escrevem 15 parágrafos e te deixam maravilhada a cada linha. Sei bem que tem gente que recebe fama pelas palavras, mas não sei se tô aqui pra isso. É mais meu, entende? É mais minha fome, do que alegria dos outros que leem. Sei lá o que é, como descrever, mas sei de uma coisa: não há vício melhor que esse, e não houve dias piores que esses 12. 

Esse texto é verídico, e já foi escrito a um tempinho. Mas sendo sincera, estava um lixo antes dele. Tomara que gostem! Ah, parabéns a Camila que apareceu no Depois dos Quinze, esses dois blogs são maravilhosos. Beijos e fiquem com Deus!

19 comentários:

Bia Oliveira :) disse...

Nossa Lara, eu me sinto igualzinha quando fico muito tempo sem escrever, sei lá, parece que falta alguma coisa.
Conseguiu descrever certinho *-*
Beijos

P.S. disse...

"sou uma merda sem escrever. Preciso. É algo mais forte, entende? É aquela vontade louca de acordar com texto pronto, postar, e ver que mais alguém te entendeu e sentiu o mesmo." bem assim mesmo que eu me sinto todos os dias!

quase nunca comento, sempre fico quietinha. mas estou começando a comentar nos meus blogs favoritos e o seu está entre eles! sempre leio tudo que você posta :) parabéns!

beijos

Carolina Freitas disse...

Há tempos não passo aqui, e quando resolvo aparecer me deparo com um post desses. O melhor vício com certeza é o que temos pelas palavras. Escrever é uma arte e você a representa muito bem!

@yasmin_vizeu disse...

Confesso que últimamente me faltam palavras para desabafar... E olha que isso é raro. Mas também é muito ruim ver que o que você está sentindo, não consegue ser expressado nem ao menos por palavras, embora com palavras tudo se expresse. É como se você não conseguisse se encontrar.
Passo por dias um pouco difíceis ultimamente... Saudade de quem me faz feliz e está há mais de 400km, entende? Machuca.
Desculpa pelo desabafo... olha eu aqui achando que a Lara Diva é minha psicanalista HAHAHA sério, me desculpe.
Amei o texto ;)

:*

. Nadine disse...

"Escrevo, e amo. Escrevo, e sinto. Escrevo, e vivo." Nossa, é desse jeito que me sinto também. Escrever concerteza é o melhor vício. Quando passo muito tempo sem fazer isso, sinto um vazio imenso.

Ah, sobre o meu texto, sei que aquela história não é a que a gente queria, mas pelo menos sabemos, que de certa forma, não estamos sozinhas nessa. :)

Abraço forte.

Carolyne Mota disse...

Esse texto parece que foi feito pra mim!
Ando sentindo essa falta, essa saudade, essa dor incontida que não quer sarar. E olha, quando li isso aqui, finalmente percebi que nao é só eu que sente essa vontade louca de escrever, de dizer tudo que ta sentindo, sem se importar se alguém vai gostar ou não.

Amei, amei e amei! *-*

Beijos

Bárbara Lira disse...

Que lindo lara. Esses sentimentos realmente parecem que vao nos esmagar.

ainda bem que passou ne?

um beijo

Minne disse...

Tem vício melhor que esse ? Se tiver me diz que eu caio dentro. Para mim é como uma terapia, colocar tudo no papel é coisa divina, se desprender das coisas que tão afoitam nosso coração e mente, e até ver que tem gente que sente igualmente a gente. E dessas crianças que pensam que a vida se resume ao computador eu tenho é pena, porque nenhuma fase foi melhor que a infância, e eu agradeço por não ter tido contato com o computador nesse tempo. Texto mais cativante viu Lara ? Tô seguindo []

Jeniffer Yara disse...

Não deu para ler tudo,confesso,mas li um trecho e me encantei,como sempre com a forma que você se expressa em palavras.
saudades daqui. Beijo

Iasmin Morais disse...

Foi lendo e me identificando.. todas as palavras ditas ai com certeza vai tocar a todos que tem aquele vício em escrever.. Muito bom :)

Ana Flavya disse...

Chegando a segunda semana dessa falta imensa dentro do peito, nunca pensei que até as palavras me deixariam na mão '

exatamente o que estou passando :/

Elania disse...

Amo suas palavras, seus textos, seus desabafos enormees, rs.
Mas Lara, tbm tou com uma falta danada dessas palavras.
Sempre bom, bjs (:

cecilia disse...

Nossa bem que você disse que passamos pela mesma situação,realmente malditos 12 rsrs
É mesmo que as vezes as palavras brincam com a gente e faz com que nos sentimos um grande vazio por dentro ainda sei que um dia ela volta,mas também sinto falta de acordar com textos na cabeça e olhar para qualquer lado e ter mil coisas pra inventar/senti.
Ô bota fome nisso,fome das palavras,lindo isso! Já leu Lygia Fagundes Telles?tem uma frase dela que diz assim "O escritor que pode ser corrompido mas não corrompe. Que pode ser solitário e triste mas ainda assim vai alimentar o sonho daquele que está na solidão" As vezes estou triste e escrevo coisas alegres e as vezes a falta do que ter de escrever faça nascer um texto ótimo como esse.
Lara espero que não fique mais longos 12 dias longe do "romance" com o Bloco.rsrs
Beijo

Rebeca Amaral disse...

Eu te entendo, Lara. Sei o quanto é difícil conseguir verbalizar tudo o que se passa por dentro, com a mesma intensidade e sensibilidade. Mas você faz isso muito bem, continue assim.
Podem calar tudo, menos as palavras que brotam do coração.

Um beijo, flor.

More Than Words disse...

Anão, você disse tudinho que passava aqui. É verdade, eu me sinto triste, com uma dor aqui dentro, quando não vem palavra pra dizer, quando abro meu bloco de notas ou até mesmo o word e escrevo e apago ou escrevo e sinto vergonha de reler o que eu escrevi de tão horrivel que está. É, realmente meu bloco de notas se tornou meu melhor amigo e não vejo outra maneira de amenizar minha dor e sentimentos, sem me abrir com ele :/ Beijos linda, sucesso!

Luiza disse...

escrever faz uma falta mesmo, te entendo direitinho. é viciante, necessário. acho que você está no caminho certo com seus escritos, seus contos, textos reais. eles são muito bons. beijão

Taís Ribeiro disse...

"Não sei você, mas desde que tomei esse gosto de escrever não consigo mais viver sem."
sei como é, viciante, não dá pra parar. às vezes meu melhor amigo é simplesmente a página em branco.
beijos ;*

tamara furlan disse...

Grande Lara Oliveira, grandes histórias encantadoras. Triste, feliz, sempre me encantam o jeito que as contam.

Garota Ambulante disse...

Meeeninaa você escreve muuito bem ! devia fazer um livro ! adoro os seus textos, são partes de mim (yb)