outubro 02, 2016

Impasses


Queria te contar um segredo sussurrado no seu ouvido nesse minuto que agora acabou de passar. Eu queria seguir com você o seu caminho naquela hora que passou e eu não fui. Queria marcar na pele o teu toque naquele momento que eu não te toquei, e recolhi a minha mão no minuto em que virava para me dizer sobre o clima. Estivesse chovendo granitos, eu não saberia te dizer. Para mim estávamos naquele grau inexistente, trancados em nós. 
Queria ter te contado mais sobre umas coisas todas que eu nunca digo, mas você falou e eu não interrompi. Queria ter grudado em teus calçados e seguido teu caminho porque eu não sabia para onde ir. Queria te perguntar para onde ir, se eu devo ir, igual àquela música que você nunca ouviu. Queria ter cantado para você aquele álbum todo que você iria odiar. Queria te mostrar a coletânea que você jamais ouviria mas já é completamente sua na minha cabeça. Quando senti você se aproximando queria ter me virado e dito alguma coisa que você não responderia. Eu queria um texto menos repetitivo, mas você não saberia me ajudar. Queria ter lido qualquer coisa dessas que eu escrevo pra você, mas você não leva nada disso a sério.  Eu também não. 
Queria te contar do teu cheiro que não ficou grudado na minha mão depois daquela despedida. E recontar todos os fios de cabelos presos na minha blusa que eu não lavei por motivos óbvios e doentios. Chorar as minhas dores todas nos seus ombros de algodão. Abraçar seu peito de plástico. Cheirar o seu cabelo de mentira. Deitar no seu colo de pedra. Queria te suplicar para existir em todas as dimensões possíveis e impossíveis, te ver desenhado em 2D, 3D ou qualquer outra em que fosse possível alcançar sua mão.
Queria te dizer que esse texto é um presente que eu nunca embrulhei, mas você rasgou o pacote todo antes da entrega. Você roubou minhas palavras antes que eu abrisse a boca. Interpretou o texto ainda não escrito. Derrubou as muralhas invisíveis que construí e roubou a torre. Você achou pedaços de mim e refez meu bordado de retalhos à tua mão e vontade. E eu queria muito te dizer que eu gosto da forma como os tons de verde se misturam com o marrom nas colinas de mim. 

0 mini memórias:

Postar um comentário