março 24, 2013

Parabéns ao amor



Não entendo essa aversão do amor. Até a minha a própria. Quando dizem que gostam de histórias de amor já fazem cara feia, filmes de romance dão ânsia em garotos e até em algumas garotas, livros detalhando beijos apaixonados e mãos tímidas sendo seguradas pela primeira vez já se tornam clichê e são julgados errados. Por que não o amor? Por que deixar sempre o romance de lado e desvalorizar tanto assim um assunto tão bonito? É lindo em textos, filmes, músicas e livros. É lindo em mim, em você, nele e nela. É lindo o que acontece agora, o que ainda está pra acontecer e o que aconteceu e não volta. Mas a gente sempre torce para que volte. Porque amor é justamente isso. É o torcer, é a vontade, é o coração batendo mais forte gritando para que dê tudo certo no final. Aquela coisa de final feliz para sempre ainda não acabou, vive dentro de cada amante. 
Eu, como uma das tantas que já rejeitei o amor hoje vivo dele nas noites frias. Não há assunto que renda mais, não há músicas que doam mais e livros que me encantem desde o primeiro olhar do que aqueles que já esbanjam uma frase de amor. Que seja até eu te amo. Mas sou daquelas que já não vêem amor nessas três palavras, são simples como qualquer outra. O que vale é o contexto agora. Eu te amo não tem o valor de um "te espero até a eternidade" dito cinco minutos antes do ônibus chegar. Eu te amo não é aquele grito de "mas eu preciso de você!" antes que ela saia do carro no meio daquela discussão. Eu te amo é eu te amo, mas é só. E eu tô aqui pra falar do amor, e ele é muito mais. É aquela vontade de chorar quando o mocinho tem que partir, ou quando finalmente tem o reencontro, até no livro a gente sente as mãos trêmulas e as pernas bambearem. Parece que quem tá se reencontrando é você. E talvez realmente seja, pois eu me encontro em cada romance que leio. Eu amei o John, Heathcliff, Bentinho, Adam, e tantos outros.
Mas então por que essa falsa ideia de que amor não dá história? Que o clichê faz presença e desmeça todos os outros temas? Amor é tema como aventura, terror ou comédia. E cada qual com seus clichês e suas frases de impacto. Que haja "eu te amo"s em romances como deve haver "achei!" em livros de aventura ou até mesmo "quem está aí?" nos famosos suspenses. Mas eu, romântica de alma, vou sempre proteger cada história. Que de clichê não tem nada porque amor não é igual a nenhum outro. Meu amor por ele jamais vai ser igual esse que você esconde por aquele menino do ano passado. O meu relacionamento de ontem jamais será igual ao que você está tendo. Uma história de amor lembra a outra, mas não a revive. São outras pessoas, outros lugares, é outro você que já tem outra base de vida. Seja com alguns dias de diferença entre uma leitura e outra, já não é a mesma de um livro atrás. Talvez mais madura, talvez mais chorona, talvez mais amante. 
Após ler tantos romances já o vejo com outros olhos, analiso casos que para alguns seriam finais sem a parte feliz e acrescento um pedido de desculpas e até certo dicernimento entre o que seria certo ou errado. Será que traição é mesmo caso único? Mas e a Capitu? E distância realmente separa casais? Mas e a Savannah? São histórias, papéis rabiscados metricamente numa folha amarelada, e "que trazem uma visão de amor impossível" talvez você me diga. Mas amor sempre é possível. Se tem amor, tem chance. Nem que seja daqui a alguns anos, como em The Notebook. O amor não tem hora nem data, e essa é a única certeza que se leva. Não vou te encontrar amanhã ás quatro, mas talvez daqui a cinco anos comigo lá em Nova York e você sendo alguém de sucesso. Porque o amor só acontece. E acontecendo ele existe e traz pra mim, romântica de alma, pois já não gosto da prática, as mais lindas histórias para qual sonhar. 
Então hoje eu grito que sim, eu gosto de romance. Na locadora é a minha ala favorita. Na livraria são as capas mais lindas. Nas bibliotecas já tem as folhas gastas e caindo de tanto reler. Eu torço para o amor, acredito em finais felizes, alma gêmea e nada disso me faz tola. Acredito mas não fico sentada esperando meu príncipe de cavalo branco, tenho medo de cavalos e príncipes nem são tão legais assim. Gente certinha demais na vida real cansa. Deixa que fiquem nessas páginas dos contos de fadas que as mães leem para as filhas dormirem bem a noite. Hoje assuma que amor dá história, amor não é só clichê. Amor é aquilo que se sente entre um casal de velhinho dormindo de mãos dadas no banco da praça, a mãe ouvindo o filho contar do primeiro dia de aula e a menininha recebendo a primeira flor do vizinho. Amor é tudo aquilo que deixa a gente com um suspiro guardado, uma vontade de viver junto. Tem como não amar escrever sobre amor? Amor é vida. E minha vida é escrever. 

ps: Dexter e Emma na foto porque amor maior não há. 
_____________________________________________________
PARABÉNS PELOS SEUS 3 ANOS MEMÓRIAS ESCRITAS! 

Porque memórias nunca morrem, ainda mais as tatuadas.
Hoje não só me assumo como uma romântica de livros alheios, como dos meus próprios escritos. No decorrer desses últimos três anos venho escrevendo sobre o amor, ou a falta dele, e não me arrependo e nem serão os últimos. Juro que tentei mudar o foco, pensei que até mudando os assuntos eu amadurecesse um pouco mais, mas talvez meu destino seja realmente esse. Porque querendo ou não, no meio daquele texto de suspense dá vontade de colocar o mocinho pra que ele segurar a mão dela no escuro. Dá vontade de adicionar um casal aqui e ali naquela viagem atrás do tesouro. Essa foi a minha maneira de fazer com que isso durasse tanto tempo, nunca imaginei completando anos com um mesmo blog. Quem dirá três! Com palavras minhas. Só minhas. Eu consegui trazer isso até aqui, hoje com quase 100 000 visitas e 2 000 curtidas no facebook. Cada um vale um diamante. Cada um é uma pitadinha do amor que sentes pelas minhas palavras de sempre. E hoje elas são só de agradecimentos, porque graças ao amor de cada leitor que continuo. Obrigada à vocês que leem, e á vocês que passaram pela minha vida deixando um amor para ser escrito. 

Só para dar um gostinho: vem novidade por aí e tem haver com livros.
(não meus, ainda)

4 mini memórias:

linda!!!apaixonei!
linda!!!apaixonei!
fica mais bonita sem piercing
é um gosto teu, tudo bem,mas sem piercing é mais gata

Postar um comentário