dezembro 01, 2012

Egoísmo de você



As entrelinhas sempre me acompanharam, mas hoje gostaria que fosse direto. Nada de te esconder num ponto, vírgula ou parágrafo mal escrito. Queria te dizer que quero te levar comigo. É isso e já foi dito assim, na lata. Trazer você como quem leva aquela moeda da sorte no fundo do bolso, nas horas difíceis tirar do bolso e segurar na mão para dar sorte. Deixar você sempre por perto, no bolso, na jaqueta, na bolsa, no coração e na vida. Trazer você pros meus dias, meses e anos aonde quer que sejam. Na Rússia, na França ou na cidade aqui da capital. Ter você em cada esquina, cômodo ou sala de aula. E te abraçar forte, sempre. Te abraçar forte porque a sorte tá em você. Porque a sorte é ter você.
Chegar em casa depois de um dia exaustivo e pedir seu colo por cinco minutos. Só isso e nada mais. Deitar em você como uma criança que se aconchega nos braços dos pais. Pedir seus braços por perto sempre. Sentir o tecido da tua camiseta abarrotada, sua respiração soprando no meu rosto de leve, tua pele na minha. Ouvir seu coração batendo acelerado, ou calminho, que seja, mas que bata. E colocar no repeat mais uma daquelas suas histórias chatas em que eu só ouvi a metade, mas que agora já decorei cada suspiro. Só pra ouvir de novo sua voz, e a sua risada naquela parte que nem teve graça, mas hoje eu ri porque gosto do jeito que seus olhos ficam quando você ri. Quase somem, sabe? Parece que você consegue sorrir com eles também. Ter seus olhos sempre por perto, pra que a vida fique mais doce.
Pedir suas mãos antes de começar a entrevista, de pegar o trem ou fazer a cirurgia. Apertá-las com toda a força, pegando um pouco da tua confiança emprestada. Sentir seu aperto de retorno, como quem diz: "calma, tô aqui, vai dar tudo certo". Roçar os dedos de leve quando o medo vai passando, como quem agradece. Querer ter as tuas mãos pra sempre comigo. Antes de dormir poder esticar os dedos e encontrar os teus ali, pedindo os meus também. Dormir com mãos trocadas. Sentir teus dedos enxugarem as lágrimas de sempre, aquelas dos dias ruins, e ouvir baixinho você sussurrando uma cantiga qualquer. Querer chorar sempre só pra ter teu consolo. 
Na hora da solidão, pedir seu coração e ter. Ter seu coração sempre comigo, mesmo não merecendo. Quando a noite está fria demais, os amigos viajando e a cama grande demais, poder te ter pra mim. Abolir cada defeito e abraçar suas qualidades como quem não tem mais nada. E na verdade, talvez eu nem queria mais nada mesmo. Porque ter você já me faz um bem danado, e é por essas e outras que eu quero te levar pra mim. Te levar na memória, nas mãos, nos pés, no corpo, na alma, no coração. Sim, te levar no coração. Eu, que mantenho á sete chaves esse bauzinho  te tranco agora aqui num cantinho com carinho. Querer você com o coração, só pra te alimentar de amor. 

O título não faz sentido, mas o amor também não, então está ok.  

8 comentários:

Jéssica Trabuco disse...

Que doçura linda essa que você transmite nas palavras... Adorei!

Mariane Ferreira disse...

Sempre escrevendo bem, né Lara? haha, lindo esse texto pra variar.

Bia disse...

Que textinho encantador! Dá até vontade de amar, só pra sentir tudo como você descreveu...

se quiser dar uma olhada no meu cantinho, também será bem vinda:
http://coisasqdaonatelha.blogspot.com.br/

Leticia Karen disse...

Lindo texto, amei *-*
http://foreveryoungl.blogspot.com.br/

Andressa Santiago disse...

Amei Lara, quando crescer quero escrever assim como vc! Haha' bjokas sua fofa! *-*

Ingrid Moura disse...

Muito lindoo! Era tudo que eu precisava Hoje!! =D

Anônimo disse...

Encantada, sem mais. ^^

De repente dezoito disse...

AMO esse texto! É um dos melhores que já escreveu!