maio 12, 2012

Que a chuva me ajude



Está chovendo. O clima continua na mesma, um tanto frio, um tanto quente. Enquanto caem milhares de gotas de chuva lá fora, eu fico aqui sofrendo para que saia pelo menos uma lágrima. Vamos! Que eu me desidrate de tanto chorar ou que seque de uma vez essas lágrimas aqui de dentro. Os pingos ficaram mais fortes, consigo ouvir o barulho gostoso de cada gota chegando ao chão e outras respigando no vidro da janela. E eu? Quero ouvir o som de alívio da minha alma quando soltar tudo isso que guardo aqui dentro. Estou tomando um caminho que não deveria, onde foi parar minha calma? Cadê a minha vontade? Só me sobrou as lágrimas guardadas.
A chuva tá parando, vejo apenas pequenos riscos na paisagem. Fininha, cai de leve, mal escuto. Enquanto continuo aqui, na mesma, nem uma lágrimazinha sequer. Mas ao contrário do que pensas, sinto-me com o nó na garganta e a cabeça explodindo. Meu corpo dói, minha alma tá gritando, e meu coração tá tão escondido que eu mal sinto suas batidas. Tudo está tão longe. Parece que a chuva está indo cada vez mais longe também, o sol também já está se pondo, só sobrou eu. Não quero ficar sozinha, não quero ter que lidar com essas minhas dores e neuras e birras e saudades e dramas e... Eu não sei o que mais, não sei o que é, só sei que não estou mais conseguindo "deixar pra lá". O "lá" resolveu se mudar aqui pra dentro de mim.
Saudade de quem? Birra com que? Drama pelo que? Sei lá. Tem que ter algum motivo? Acho que viver já vale por todos. E isso não é mais um drama, é uma verdade. Quem é que vive e sai ileso? Me diz, vamos lá, duvido que nunca tenhas tido um dia ruim. Um dia difícil. Um dia em que cada ato é um erro, e o acerto teria sido não levantar da cama. Talvez eu esteja tendo uma semana assim. Mas eu não posso simplesmente não levantar, por mais difícil que estejam sendo os dias, a vida ainda há de me trazer coisas boas. Não hoje. Nem talvez esse mês. Abril, estou contando os dias para o teu fim, não aguento-te mais!
As pilhas de livros e deveres olham para mim e gritam milhares de sermões, meu cérebro se recusa a tentar fazer qualquer coisa, minha cabeça pede sossego. Será que ando exigindo muito de mim? Será que toda essa vontade de chorar é apenas cansaço de uma mente que passara por dezenas de provas essa semana? Será? Pois se for, o mês ainda não acabara e eu preciso terminar tudo que comecei. Mas, por favor, chuva, leva contigo toda a água daqui de dentro sem que eu precise derramá-las. Você tá indo embora, as gotinhas estão fininhas, é a hora, pode levar, estou dando-lhe esses cem litros que levo aqui dentro. Pegou? Pois vá, apresse-se, não aguento mais um minuto esses dramas dentro de mim.


Como deu para perceber escrevi esse texto já tem um certo tempo, resolvi postá-lo por ser um dos únicos que havia deixado salvo aqui no blog. Estou sem net, novamente! Mas enfim, é isso, espero que gostem.
Beijos no coração! 

1 mini memórias:

Anônimo maio 12, 2012
Olá querida, talvez você se lembre de mim, sou a anônima que também comentou no texto "dois". É fazia tempo que não vinha aqui, pois talvez você entenda, provas nos deixa longe do computador, ou melhor, longe das redes sociais. Novamente me identifiquei com seus textos, em especial esse ! Passei por algumas dificuldades no mês de abril e agora em maio, infelizmente minha cabeça não está tão boa, estou me fazendo perguntas inúteis, não estou conseguindo ser feliz. O que há comigo? Me ajuda! Também cheguei a ponto de chorar, mas cadê as lágrimas?
Parabéns novamente querida, pelos seus mais de 70,000 leitores. Serei sempre uma deles ! Beijos,♥

Postar um comentário