maio 15, 2015

Lembranças de um adeus


O trem já está para chegar e eu consigo ouvir aquela conversa muda que a gente teve aqui mesmo perto da terceira fileira. Lembro exatamente da falta de palavras que saíram da tua boca, mas de todo o discurso que teus olhos me disseram. É engraçado como nos momentos mais difíceis tudo se cala, a linguagem falta e tudo é dito entre um olho marejado e outro. Mas eu queria tanto te dizer tantas coisas, te explicar que tudo isso é muito difícil pra mim e que a lágrima já tava quase descendo quando você me olhava sem desviar. Desvia. Não deixa que caia. Por favor. Não posso. 
E foi ainda mais difícil não poder. Não deixar. Respirar fundo repetidas vezes pra ver se acalmava o coração que te gritava tanta coisa meu bem. Não ouviu? Ele falou tanto da saudade que sentiu, e que sentiria ainda pior. Enumerou todos os segundos daqueles poucos dias, porque deveriam valer a eternidade. Deixou marcado na pele o teu toque, para quando a saudade doesse na alma. E doeu, querido, até hoje há hematomas da ausência do teu toque. Há lacunas em mim que não preenchem de forma alguma. Você não ouviu meus gritos naquele dia? 
E então finalmente o apito. Está logo aí. Você precisa embarcar e eu quero gritar que fique. Por favor, só mais uns dias, um mês, uma vida inteira. Então me coloca aí na tua mala, me esconde no teu bolso, me leva no teu coração para que eu não me separe nunca de você. Porque eu não sei mais viver pela metade depois que te encontrei. O portão abriu, seus passos são lentos e arrastados. Quero te prender nos meus braços e não deixar que dê mais passo algum. Mas há tanta gente, há tanta coisa, o apito soa novamente. Você precisa entregar o bilhete e ir. 
Seus olhos encontram os meus mais uma vez, e nesse momento eu senti cada parte de mim desmoronar. Eu ouvi o teu grito aí de dentro, as tuas pupilas me contaram tudo nesse minuto. E foi de fato um minuto completo. Você me abraça apertado e me beija suavemente na bochecha. Sussurra uma promessa que ainda aguardo. Porque eu sei que você não vai quebrá-la, você não poderia. Uma parte sua está sempre comigo, e eu sou inteiramente tua. 

O trem partiu, mas eu continuo te procurando em cada fileira.
Todos os dias. 
A promessa ainda ecoa em nós, escuta. 

0 mini memórias:

Postar um comentário