agosto 16, 2012

Só saudade


Hoje acordei com a saudade ao lado direito da cama ocupando teu lugar. Ela levantou comigo, fomos escovar os dentes, tomar um café para espantar o sono e dizer um oi para o sol que estava a surgir ainda fraquinho na janela. Me atrapalhou com os lençóis querendo sempre relembrar teu cheiro e a tua risada ali na cama nos domingos que acordavam chuvosos, onde você fazia aquela careta engraçada só pra tentar amenizar o fato de ser domingo e estar chovendo. "Há coisa pior? Só faltava-me não ter você." Ela que me lembrou essa fala, nunca me esqueço, e ás vezes dói tanto relembrar porque já foram tantos domingos chuvosos sem você. 
Na sacada, dando mais um olá para o sol, ela me faz companhia, deixando sua ausência ainda mais presente. Sinto seus passos pela casa, sua voz cantando uma daquelas suas músicas inaudíveis, o cheiro do seu perfume quando aparece por perto. Só que o cheiro do perfume que sinto vem do pote vazio que deixei guardado no fundo do armário. Talvez tenha aberto e o cheiro invadira toda a casa. Ou talvez a casa sinta sua falta e esteja querendo reviver-te mais uma vez. Eu quero. E não é só pelo teu perfume, que diga-se de passagem ser maravilhoso, não é só pela sua risada ser gostosa e eu precisar rir um pouco, e nem é só porque eu goste um pouco dessas suas músicas ruins, mas é que a saudade anda presente demais e você, longe demais. 
Fui ligar o rádio e vi sua fita ainda ali na estante. Confessa que a deixou ali só pra que eu a colocasse assim, numa tarde qualquer, e relembrasse suas danças malucas pela sala, dos seus gritos de alegria no refrão e das suas mãos me buscando no quarto para que eu o acompanhasse nessa loucura. A música está no volume máximo, ainda não te vi  chegando pela porta repetindo os mesmos passos de sempre, não ouvi tua voz no elevador gritando o refrão, não senti tuas mãos nas minhas me puxando para seus braços numa valsa atrapalhada no meio do tapete da sala. Só a saudade tá aqui, cantarolando baixinho aquela sua canção preferida no meu ouvido, e mesmo com toda a barulheira da sua fita, eu consigo te ouvir em mim. 
O gato está triste, não para de olhar para a porta e andar em círculos pelo nosso quarto. Acho que não sou só  eu que te espera. Esses dias o vi dormindo nas suas camisas, na semana seguinte derrubou todos seus livros, e hoje mesmo estava querendo entrar em um de seus sapatos. A saudade tá aqui com a gente, acabou de me lembrar do dia que fomos jantar naquela lanchonete aqui perto quando ouvimos um miado baixinho no caminho e acabamos encontrando um gatinho perto de uma árvore. Você o pegou com tanto carinho, que talvez eu tenha me apaixonado de novo ali, naquela quinta a noite. E agora ele tá aqui, miando baixinho entre um cômodo e outro, querendo mais uma vez ser encontrado por você. Eu também. 
A saudade disse que vai ficar aqui por mais alguns dias, talvez essa semana inteira. Todo dia ela dá uma passadinha rápida, mas hoje resolveu ficar. Tem espaço, tudo anda tão vazio desde que você se foi. O pequeno apartamento, que a gente várias vezes achou que não caberia nossos livros, hoje parece uma mansão de tão grande. As vezes me perco no caminho para o quarto, procurando sua voz saindo de algum cômodo para guiar-me, mas anda tudo tão quieto. Só a saudade que de vez em quando coloca umas gravações velhas para passar na tv, uma daquela viagem para o interior e outra para a praia, e eu fico ali, fingindo que ainda tem você aqui. Mas só tem a saudade. 

Eu não tenho nem palavras para descrever minha felicidade em ter conseguido 1000 "curtir" na página do blog. Muito obrigada, de todo o coração. Espero que continuam "curtindo" pra sempre todas essas minhas lorotas. Um beijo... com muita saudade! 

4 comentários:

Gabriela Freitas disse...

Você merece Lara, o memória é incrível!
Tenho tido dias que a saudades não sai do meu lado;

Milena Lobo disse...

a saudade persegue em cada detalhe, e castiga ne? Lindo conto Lara com sempre!

Ariana disse...

Ai flor como sempre me encantando com suas palavras.
Essa maldita saudade sempre presente quando a gente menos espera.
Hoje é um dia que estou com saudades "dele" das tardes de Domingo, dos filmes que víamos juntos, do carinho, das briguinhas, enfim de tudo.
Mas a pior saudade não é a dele é a saudade de amizades que sei que não vão voltar.
Enfim desculpa o desabafo, o comentário tosco, não to muito boa hoje, mas o texto ta maravilhoso!

Beijos

blogdaninguem disse...

A maneira como você escreve me faz sentir todas as emoções que são citadas, é incrível! Sempre foi assim, né?! Saudade de ter tempo para vir aqui sempre.