fevereiro 05, 2012

Eu quero tudo para sempre.


Confesso que nunca fui de odiar, acho ódio algo tão forte, tão feio. Mas ultimamente eu descobri que não há nada mais odioso que despedidas. Sim, um adeus, bobo que seja, me destrói. Eu não quero ter uma vida, um dia, uma semana, maravilhosa com alguém e depois ter que virar ás costas e deixar que cada um siga seu caminho. Você não pode seguir comigo? A gente não pode inventar o nosso caminho? Mas não é só você, é tanta gente, será que todos vocês não podem simplesmente seguir aqui pro caminho de casa? Sim, eu hospedo todo mundo, mas me prometam que jamais me deixarão. Quero uma promessa, é simples, mas eu quero que se cumpra, está bem? Fiquem. Para sempre. Eu sei, eu sei, ainda tô no começo dessa vida de despedidas, mas eu não quero ter doutorado nessas coisas. Tô bem assim, já tá doendo, não preciso de mais. 
Todo mundo tem que seguir sua própria vida, cada um tem um destino, mas será que no meio desses seus vários empregos, faculdades, filhos, casamentos, a gente não pode se encontrar? Eu não quero levar uma vida onde em cada cidade eu conto quantos eu perdi. Talvez seja exagerado, ninguém morreu, mas eu sinto como se cada célula clamasse por cada um que um dia veio e se foi. Estão divididos aí pelo Brasil, num estado longe, numa cidade próxima, ou á algumas quadras daqui de casa. Continua sendo muito. Continua fazendo falta. E eu continuo odiando cada vez mais essa tal da despedida. Desde o momento em que eu vejo que será o último. Foi-se o último riso, o último abraço, o último beijo. Não deveria existir cota para essas coisas, eu quero tudo pra sempre. 
Sou egoísta mesmo, eu sei. Não deveria deixar os sentimentos tomarem conta por algo tão bobo, eu também sei disso. Eu sei de tantas coisas, a teoria é tão fácil, não é? A gente aprende que vai ser fácil superar, que todo mundo supera, e eu sei que vou, mas e enquanto eu não supero? E enquanto a saudade gritar aqui dentro? O que eu faço? Aí a gente tem que deixar. Deixar que as lágrimas rolem, que a saudade rasgue nossas emoções e que os gritos se abafem nos travesseiros mais uma vez. Não, desculpa eu te dizer isso, mas com o tempo não fica mais fraco. Ainda dá aquela pontada sempre que vê um filme, uma piada, uma música... Saudade é triste. É a pior parte de um adeus. Se eu apenas pudesse deixar as pessoas irem, vivo com várias trancadas aqui dentro, não posso, é feio, eu sei, mas ainda sim deixá-las partir é tão cruel. Lembra, eu sou egoísta, não quero perder ninguém. 
Os anos vão passando, algumas vezes a gente acha que supera, outras vezes vê que ainda não evoluímos nem 1% da criança que éramos á anos atrás. E isso tudo é culpa desses adeus. Aquela última risada que você não deu bola, o último abraço, o último olhar... É tanto detalhe que a gente fica lutando pra relembrar depois de um tempo. É difícil, dói bastante, confesso, mas a lembrança reconforta quando a saudade grita muito. Mas aí é a gente que grita. Eu quero viver essa lembrança! Não é reviver não, porque vou aproveitar ainda mais o abraço, rir ainda mais nas piadas, correr ainda mais nas brincadeiras e tirar foto de cada olhar, gravar cada movimento. Porque eu quero tudo pra sempre, sem um minuto a menos, tudo para sempre e comigo. Então, se você aí for querer me conhecer, que não tenha a ideia absurda de me dizer um adeus. Estamos entendido? Isso não é um adeus, te vejo daqui a pouco.

Entre um adeus e outro a gente já vai pegando birra dessas coisas. Por isso eu digo: eu quero tudo para sempre. 

5 comentários:

Marcelo Soares disse...

Te entendo menina Lara, te entendo. Ja passei por inúmeras despedidas, das mais variadas formas. Ja morei em muitas cidades, em cada uma delas me apeguei as pessoas de jeitos diferentes. É difícil admitir que a gente não vai mais ter o mesmo convívio, a incerteza de como sera o depois da despedida mata a gente. Mas se não fossem as despedidas, as cruéis, sem coração, abomináveis e detestáveis despedidas, a gente não aprenderia a dar valor nas pessoas e nas coisas. Despedidas as vezes acontecem pra mostrar o quanto a gente ama uma pessoa e o quanto ela fara falta. Tudo isso, no final de algum ciclo da nossa vida, vira a tona e a gente entendera que aquela despedida de anos atrás era preparação pra algo maior.

Bejo

Gabriela Freitas disse...

Também quero tudo pra sempre, aliás quero tudo que é bom para sempre. Despedidas não são meu forte, com muita sorte eu tive poucas até hoje, digo de despedidas em todos os gêneros, mas acho que a pior de todas é saber que você está dando adeus para alguém que jamais vai poder voltar, ah, essa dói demais.

Ps: Não, eu não sumi do blog, nem estou pensando em fazer isso, mas como já disse algumas vezes este é ano de vestibular e eu sei que vai ser difícil, por isso já estou me preparando e estar aqui presente todos os dias tem ficado cada vez mais difícil. Espero que entenda. Saudades de todos os blogs que eu tanto amo ler. Não me esqueçam. rs

. Nadine disse...

Despedida são das piores coisas que tem. Algumas despedidas me causaram várias noites de insônia, lágrimas e bebida. Outras despedidas nem me deram tempo de dizer 'até mais', ou qualquer outra frase. Um ótimo texto. Beijos Lara.

Jeniffer Yara disse...

A gente sempre quer tudo e para sempre, eu sei bem, saudade sempre dói, daí vem as lembranças pra tentar amenizar a dor, mas não ameniza, só aumenta, e dá uma baita vontade de voltar no tempo e viver tudo aquilo de novo! Pena que não podemos fazer isso :/

Beijos

Elania disse...

É querer todos, pra sempre, juntos, e contigo...
Acho que eu perdi essa vontade, aprendi a desapegar, a dizer adeus... Me acostumei. Não terei tudo pra sempre